Friday, April 07, 2006

Onde tudo foi sendo perfeito

Voltar a partir.
Regressar ao silêncio,
Aos espaços amplos,
Invisíveis,
Transparentes.
Regressar à felicidade,
Onde a vida é feita de minúsculas fracções
De um tempo imperceptível.
Deixar de vez o negro da noite
E abraçar o azul cobalto
Do céu das manhãs frias do norte.
Regressar ao tempo de paz,
Abandonar a guerra
Pela última vez
Sem olhar para trás.
Apagar toda a dor de espírito
Da noite perpétua.
Regressar ao silêncio,
A casa,
Aos filhos,
Aos pais,
Aos teus braços,
Às transparências,
Ao outro lado das existências,
Ou simplesmente regressar
Para que seja possível voltar a partir
(Ainda que os lugares fiquem para sempre dentro de nós)

(Fotografia: Roma, Itália, Fevereiro de 2006 / Texto: Coimbra, Portugal, s. d.)

© All rights reserved.

2 comments:

Anonymous said...

sim, voltar a partir - soa bem, é um rumo, uma esperança.
Tiago

Ana said...

Regressar a tudo isso é regressar onde deveríamos ter sempre ficado...
Não existem cortinas que escondam o negro da noite nem que nos impeçam de cegar com a luz forte do dia.