Sunday, February 08, 2009

To Lea Lipková (1980-2009)

MY WOMAN, MY GIRLFRIEND, DIED. THIS BLOG HAS REACHED AN END.

Me and Lea met last September in Latvia in a meeting of Youth Program. We immediately liked each other. She was coming out from a relationship and it happened… We always were together in that meeting, and I felt we were destined to something.

I went to visit her in Slovakia last Christmas. I spent with her Christmas and new years’ day. Love happened again. It hadn’t stayed in Latvia, it was true and real and I should never have returned to Portugal… I will never forget everybody waiting for me inside the bus to Bratislava, and me outside with Lea, holding each other in silence.

We were planning to be together in May, and we talked about living together somewhere. That was her idea and I wanted to. I love Lea, Lea loved me, and the last message she sent me on the day before she died was so beautiful and full of hope. “I want to be with you and just love you” were her last words to me, and I will keep those and everything else with me forever.

Tonight I dreamt with Lea! We started kissing as we used to do, without limits, and I woke up kissing my own arm. I suppose it’s only starting. I suppose the worse is yet to come, but I want the world to know how she loved me and that I will always love her.

In a few weeks I will go to Banská Bystrica to visit her, to say so long to my little princess. I also want to visit her family, which I love so much. I need to hug her mother. Now she’s my mother too.

Lea died Saturday, 31st of January, around 18.00 in a car crash. She was on the back seat and died on location. I won’t write here no more. This blog has come to an end. Thank you all.

Dakujem Lea, môj laska, ja prisf neskoro ty...

10 comments:

Mauro said...

Então camarada?! Terminas assim a bela epopeia de textos e emoções?! É pena...

Um grade abraço

Mauro said...

Sei que no fundo são palavras de ocasião, que pouco ou nada confortam, mas lamento... é um golpe demasiado rude a morte de alguém, sobretudo do Amor... Um grande abraço de pesar de um amigo de um encontro fortuito!

Natacha said...

"Silence speaks... a thousand words..."

Sinto muitissímo, muito triste ver partir um amor, ainda que em nós permaneça...
Se me permites uma opinião... perpetua-a também na tua escrita, porque escreves muito bem, e ela ia amar que o continuasses a fazer...

Um beijo

jasmim said...

olá, tu não me conheces e eu tb não te conheço a ti, mas tinhamos uma pessoa em comum, a Lea. Conheci a Lea,fez no dia 7 de Janeiro 4 anos, fui fazer SVE, para a Eslováquia,para mim era como se fosse uma irmã mais velha, estive com ela e com a Jarka, em Junho passado.Em Maio, ia estar na Turquia e ela também iria estar, estava ansiosa para a ver de novo. Mas a vida tem destas coisas, insiste em pregar-nos umas valentes partidas. Estou muito triste e entendo o que estás a passar.

Sinto muito, porque me parecia que vocês estavam muito apaixonados.

Se quiseres vai a: www.kvety.blogspot.com e vê o meu post sobre a Lea.

Muita força!!!
Angela

nOgS said...

Meu querido amigo... nem sei que te diga.
Um abraço apertado. Já te enviarei um mail.

Beijo forte.

Anonymous said...

Eu conheci a Lea. Devo ser dos poucos que conheceu “Celso+Lea”. Eu nunca falei muito com ela. Não era preciso. Porque falava muito com ele. E ela estava sempre perto dele. A Lea era fixe. Estava sempre pronta para mais “uma última cerveja”. E isso é raro. Ela não se queixava. Desligava e procurava o Celso. Na altura, confesso, que não dava grande coisa por aqueles dois: a Lea era “no logo” e o Celso não. Mas lá se deviam entender porque estavam sempre juntos a fumar, a beber e sempre a sorrir. Era irritante. Só percebi que a Lea era muito importante para o Celso quando, na primeira noite sem Lea, em Riga, o Celso mirrou.

Celso Rosa said...

Obrigado a todos, especialmente a ti, que conheceste Celso+Lea... Estiveste comigo na primeira vez que falei com ela e eras tu que estavas ao meu lado da última vez que ela falou comigo, sem que eu soubesse que era a última vez. Como te disse, se ela me aparecesse agora e me dissesse que agarrando a mão dela eu iria com ela para sempre eu só perguntava se doía. E mesmo que me dissesse que doía um pouco eu agarrava a mão dela sem pensar, porque por muito que doesse não dói tanto como ter ficado aqui sem saber bem o que fazer... Obrigado.

Susie Hemingway said...

Oh! Celso, tears are running down my face... I am so very sorry for your loss... may you soon find some peace...you are someone that understood love so well... my thoughts and my prayers are with you. Stay strong dear sweet man.
Please stay in touch.
Sincerely Susie Hemingway Moursi ( UK)

Diogo Oliveira said...

Viva, meu caro! todas as palavras são secas...desprovidas de sentido para atenuar o que quer que seja...não as uso, usa-as tu, suporta-as..digere-as!!
Dedica-te a ti, a ti, só a ti sem nunca perderes a força...este amigo (que toma a liberdade de assim se consagrar) deseja-te uma boa vida, paz e força para gerir as liberdades e as prisões. o resto são perspectivas e sabedoria.

Ank said...

Espero que voltaras, Celso!
Um abraço da tua amiga Rumena.
força, sim?

gostarei de sonhar de novo perto dos teus blogs.